Uma breve Crítica ao Projeto Vênus (e ao seu braço ativista: Zeitgeist)



Esse post foi retirado de um comentário meu feito na Wave de discussão do Movimento Zeitgeist. Se você quer ter acesso a esta, é só deixar seu e-mail na página de recados. tenho 17 convites disponíveis no momento e outros membros também os oferecem.

Meu ponto, ao qual não pude chegar por conta de uma falha no Wave, é que a idéia de Fresco é uma distorção e contradição no sentido social/psicológico.

Ele não fala nada sobre a possibilidade do desenvolvimento da personalidade. Pelo contrário, já ouvi da boca dele que tal coisa não existe e que o indivíduo é completamente fruto do seu meio, sendo o livre-arbítrio uma mentira.

Claro que a intenção é nobre, pois ele pretende tirar dos indivíduos a responsabilidade por seus atos e jogar a culpa na sociedade, aumentando assim a motivação para uma mudança.

Só que não se trata apenas de problemas técnicos. Essa pressuposição de que tudo no que concerne à organização social é técnico parece algo de alguém que estudou sociologia jogando sim city (o qual é programado e facilmente previsível).

Apesar das estatísticas, eu considero a vivência entre pessoas pobres mais amigável do que entre pessoas de classe media alta (nunca conheci um rico mesmo). Porque justamente na pobreza é que muitos começam a ter caridade. Quando você precisa, te ajudam, e vice-versa. Se não fosse assim muita gente poderia morrer de fome. Na classe média alta, pelo contrário, as pessoas vivem em conflitos superficiais. Isso é uma prova da minha vivência de que não é tão simples assim você atribuir à pobreza e ao instinto de sobrevivência os conflitos.

O ser humano jamais se submeterá ao tipo de automação que Fresco deseja. Ele diz que seremos livres, mas presume o behaviorismo, onde liberdade não existe lá no fundamento. Assim, ele só dará pão e circo ao povo, mas nossa existência consiste em muito mais do que isso.

Não só esse sistema jamais será capaz de acabar com os conflitos, já que eles não são motivados exclusivamente pelo sistema, como também causará a formação de rebeldes. Porque eles querem uma lavagem cerebral (desculpe o termo) porque querem uma mudança de valores e apresentam os valores deles como os ideais.

OK, alguns valores são interessantes e concordo com eles, mas principalmente na questão da religiosidade eles mandam muito mal. Com a visão behaviorista, a religiosidade não pode ser mais do um mecanismo de controle social.

Só não percebem que uma ideologia sociológica, tal como a que eles propagam, também é uma forma de controle social e de tentar passar valores universais.

Eles dizem que as coisas podem mudar, mas se mudarmos coisas fundamentais a própria idéia deles ficará meio desnaturada. Por exemplo, meu HD está lotado porque minha irmã guarda arquivos aqui. Eu passei a proibir esse estoque dela, argumentando que o computador é meu, o que é razoável. Isso é o conceito de posse: se eu estou sempre usando, é meu e só meu. Não o de propriedade, que me permitir ater dez computadores mesmo usando apenas um ou mesmo nenhum. O computador, bem como vários objetos provenientes da indústria, são personalizados e, portanto pessoais. Daí decorre que a idéia de posse é necessária, mas eles defendem que tudo seja compartilhado por todos. Obvio que adolescentes imaturos ou mesmo adultos podem fazem escândalos, dormir na casa dos outros e tudo mais. Muitas vezes, em conflitos, pessoas tomam certa propriedade por razões pessoais. Só para outra pessoa não poder ter.

Esses são pouquíssimos exemplos de como rebeldes destruiriam essa cidade rapidamente, pois jamais eles conseguirão doutrinar todo o mundo. Nem hoje em dia com a mídia Mainstream isso é possível!

O projeto Vênus precisa sim de leis. Precisa sim de um tipo especial de crédito. Minha sugestão seria um crédito que não pode ser usado em trocas entre pessoas. por exemplo, eu trabalho como professor universitário e fui avaliado como o melhor professor pelos alunos. Então eu recebo um adicional em créditos, com os quais posso obter mais recursos e melhorar minha conexão com a internet e outros serviços, como também simplesmente conseguir muita comida para fazer uma festa. Esses créditos serviriam apenas para conseguir coisas da fonte, como alimentos direto do plantio, etc. Assim, o crédito não poderia ser usado como fonte de riquezas, mas seria um limite para o acesso aos bens, porque eles nunca serão abundante so bastante para arcar com vândalos, que não vão desaparecer só porque têm uma casa bonita ao natural com tudo o que precisam.

Outro aspecto é a descentralização do poder, que é concentrado num computador. Quem já programou sabe muito bem que os parâmetros de uma máquina podem ser facilmente manipulados, e eu já vi inúmeros casos em que economistas se acusam mutuamente de explorar computadores para chegarem às conclusões que querem. Porque nas ciências sociais, você precisa usar uma premissa para construir um pensamento.

O computador do Fresco usaria a premissa comportamentalista para entender o ser humano, por exemplo, e nunca que o meio acadêmico aceitaria um absurdo desses. Não tem como colocar todas as decisões da sociedade para um computador. Não porque o próprio computador é mal, como Fresco diz que acham, mas simplesmente porque o computador não pode decidir com exatidão uma questão que não é exata. Para decisões técnicas é ótimo, mas para questões culturais será um fiasco.

Acho que o Projeto Vênus precisa ser revisto de forma profunda. Do ponto de vista técnico é perfeito. Tinha que ser: foi feito por um engenheiro. Mas do ponto de vista social, cultural e psicológico ele é um fiasco.

7 comentários:

Ebrael Shaddai disse...

Silas,

Vim a teu blog pela primeirra vez pelo site blog da Joici. Me surpreendi com o que vi de idéias promissoras e férteis de inteligência.

Parabéns, já tô seguindo seu blog!! Ahhh, para que saiba, tenho o mesmo nome no diHiTT e se eu não me engano vc já está entre meus amigos.

Nesse projeto Zeitgeist, fugindo um pouco de sua ótica, percebi valores intrinsecamente maçônicos. Procure, se ainda não o fez, se inteirar da Maçonaria e seu projeto de Governo Mundial Único!!

Mais uma vez, parabéns!!

Anraços!!

Silas disse...

Valeu pelo apoio!

Anônimo disse...

Olá. Sobre o problema de decisões para questões culturais, creio que o que interessa sempre é o bem humano, e, para isso, é possível tomar decisões racionais, científicas, como tem falado ultimamente o filósofo Sam Harris. Seria uma "moralogia"...

[]´,s
Jeff.

Anônimo disse...

teu ponto de vista é interessante, mas extremamente linear, a mudança q fresco propõe é inevitável, porém ele vem trabalhando nessa sistema desde os anos 70, e nos ultimos anos alguns de nós ao menos temos percebido q fiasco é o nosso sistema atual e todos que até então foram propóstos, eis q surge um sistema que racionalmente faz sentido, que não é impossível de se implementar, mas você não esperava que ele surgisse pronto e perfeito não é!?...tem um tempo razoável pela frente, e os estudos ainda não terminaram, eu acredito q este sistema é a unica saida racional para degeneração e queda dos valores humanos, desde o empresário q se sente muito honesto ao infeliz que vive no morro e comete crimes os valores são semelhantes, começam pelo dinheiro...se este sistema de fato for metade do que parece, em algumas decadas teremos um esboço bem melhor e mais "realista" do que o atual...PAZ

Cássio Siquara disse...

Silas, parabéns pela crítica, sou da área das artes e estive pensando plenamente nas questões humanas e artísticas aplicadas ao projeto vênus.

Como o anônimo de cima disse, independente de ele ser perfeito ou não, ele de fato é um sistema melhor do que o atual e, como o próprio projeto informa, ele não está e nunca estará pronto, pois a vida é sempre uma reconstrução social, tecnológica, etc..

Acredito, contudo, que com tempo livre para ler, criar, aprender, viajar, viver... As pessoas mansas auxiliarão no que puderem auxiliar e as pessoas rebeldes bagunçariam a ordem algumas vezes. Mas é importante lembrar que os rebeldes, tais quais os de hoje, não incomodam ou atrapalham todos os dias e tampouco são rebeldes para sempre.

A rebeldia é algo particular, sempre presente em cada pessoa, mas cada um o manifesta de uma forma, seja quebrando tudo ou chorando num canto escuro. Mas é bem comum que as pessoas não passem suas vidas inteiras quebrando tudo.

Além disso, teríamos tempo para cuidar de nossos parentes deficientes e mais tempo para dar atenção aos nossos filhos, netos, irmãos, amigos, avós, tios, etc.. Um relacionamento humano mais próximo e caloroso diminui bastante as revoltas internas.

Ciumes, inveja, intrigas, conspirações e todo o resto, sempre existirá, cabe a nós auxiliar os outros humanos, que são nossos irmãos, quando estes estiverem ou contiverem esses sentimentos e estados emocionais.

Para mim, a grande questão é como implantar isso em um grande território, um país ou um conjunto deles, pois no mundo inteiro, de vez, acho que seria impossível.

Abração e que a gente consiga um dia.

Anônimo disse...

Com relação ao artigo escrito pelo autor da página, concordo, em parte, apenas com o último parágrafo.

E, concordo, quase totalmente, com o que o anônimo disse em NOVEMBRO 09, 2011.

Mônica disse...

Boa colocação, obrigada.