A filosofia do Zombie Walk

Acredito que algumas pessoas podem ver como uma contradição as coisas que eu escrevo com essa imagem de perfil, que me mostra sorrindo com uma cicatriz(muito bem feita pelo João). Afinal, as coisas que escrevo têm a pretensão de ser sensatas, e o zombie walk é, dum ponto de vista “sensato” uma insensatez. Decidi escrever esse post pra falar sobre o que o zombie walk significa pra mim. Digo pra mim porque cada pessoa atribui um significado a ele.

Antes de falar do zombie walk é preciso voltar á paixão por filmes de zumbi e do motivo pelo qual ele causa tamanho impacto em mim.

Segundo a minha visão de mundo, muitas pessoas vivem como zumbis atrás de “cérebro” e estão tão habituadas a isso que já não pensam. Gosto de lembrar de uma cena do filme “madrugada dos mortos” em que os sobreviventes estão no terraço de um shopping onde estão se escondendo e os zumbis vêm andando para o lugar. Um dos sobreviventes pergunta:

- Porque eles estão vindo pra cá?
- Instinto. Talvez não estejam atrás de nós. – responde o policial.

Acho que as implicações dessa fala são enormes. Nesse filme você repara que os zumbis tendem a repetir hábitos que eram muito comuns no tempo de vida. Assim, Andy, enquanto zumbi, esfrega a mão no quadro, porque quando era vivo ele escrevia muito neste, e por esse mesmo motivo os zumbis cercaram o shopping e sabiam exatamente por onde entrar, por mais que, como zumbis, não tivessem muito raciocínio.

Assim, nos filmes de zumbi eu vejo críticas sociais a respeito do comportamento das pessoas, que são condicionadas por impulsos que nunca questionam. Vão seguindo uma coisa que não é parte delas. Como nos zumbis, é o agente causador (vírus, bactéria, componente químico, espírito) que condiciona os zumbis. Eles não passam de escravos de impulsos que nem são deles. No meio dos zumbis, todo aquele que é humano acaba sendo devorado.

No filme REC, produzido na Espanha, não há uma crítica social tão intensa. Eles usam as mortes e a violência como uma forma de aterrorizar. Nesse filme você fica em desespero, porque não se sabe o que esperar de nada. É tudo sempre uma surpresa até o final. Não há como fazer conjecturas sobre o que acontecerá depois. É puro e belo terror.

Isso tira do espectador a sensação de segurança e dá uma nova perspectiva. A forma impulsiva de agir. Por mais que nós estejamos sempre buscando ser racionais, sempre haverá impulsos, e eles só são ruins quando são condicionados pelos outros ou quando, fazem mal a nós e aos outros em termos práticos. Não há nada de errado em se masturbar, beber, gritar, se vestir de zumbi e caminhar pela cidade ou qualquer outra loucura, contanto que a pessoa que o faz tenha consciência de que não prejudica os outros com suas loucuras.

Pra mim o zombie walk representa essa dualidade. Quando eu me visto de zumbi, em primeiro lugar tenho a boa sensação de estar fazendo uma coisa totalmente irracional e sem justificativa sensata. É um simples impulso, que me dá uma sensação de liberdade, pois viver de forma sensata reprimindo os impulsos é sempre sufocante e estúpido. Bem disse Erasmo no Elogio da loucura.

Por outro lado eu também estou mandando uma mensagem. Estou fazendo exatamente o que querem que eu faça. O zombie walk é uma paródia do nosso estilo de vida. Eles não querem um zumbi? Então que seja, dou o zumbi a eles! Não falo. Não penso. Não escolho. Sou só um zumbi.

E é exatamente isso. Pra mim o zombie walk é uma forma de rir do sistema, rir do consumismo. Acima de tudo, é uma forma de rir de mim mesmo e de me divertir.

Você acha idiota? Que bom! Eu também! Quem disse que algo idiota é ruim? É estúpido e, de um ponto de vista sensato, sem sentido. Mas é só quem sente a liberdade, a quebra de todas as normas que poderá entender a verdadeira essência do zombie walk: A liberdade!

5 comentários:

Emiliano M disse...

Cara, filmes de zumbi tem por definição uma baita Critica social embutida! Você ja viu "A noite dos Mortos vivos" (o original de 1960, não o remake da decada de 80)?

Aquele ultimo do Romero também é muito bom "Terra dos Mortos" e com uma critica social quase explicita (sim eu também viajo muito em filmes de zumbi).

Outro muito bom -embora não seja um filme de zumbi 'sensu strictu'- é "Eu Sou a Lenda", achei um filme muito porreta.

Me falam que os filmes do Lucio Fulci são muito bons! Gore total, mas eu nunca tive a oportunidade de assistir.

Ah, outro classico é o "Braindead" (Fome Animal), do Peter Jackson (sim, o mesmo cara do Senhor dos Aneis), é muito minha adolescencia esse filme!

Fica na Paz Silas

Anônimo disse...

mentira!!! só falacias pra manter a pose intelectual em harmonia com suas otarices =p

sarinha

Marco Whynox disse...

Achei interessante o texto. Qdo me perguntam por que que eu vou para a zombie walk... eu respondo:

"pq me sinto bem, é o melhor dia do ano"

e de fato, pra mim é. Esperar por um dia q faz valer os outros... o dia da catarse.

Sobre os filmes... hehehe os do Romero são muito bom mesmo... e não é viagem, todos têm suas críticas sociais

abçs

≈☠≈รrтª Biiα!≈☠≈ disse...

zumbi rulez!








ponto ._.

Silas disse...

xD